70 anos Feira do Livro de Frankfurt

 

Por Ivani Cardoso ()Publishing Perspectives Inovação – Feira do Livro de Frankfurt

 

A Feira do Livro de Frankfurt tem sido palco de diálogo intercultural Agora celebra também os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Marifé Boix García, vice-presidente da Feira, comenta essa e outras novidades.

 

Leia a íntegra da entrevista:

 

Qual o destaque dessa edição?

 

Não é apenas a Feira do Livro de Frankfurt que celebra um 70º aniversário especial em 2018: são também 70 anos da assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, plataforma na qual a expressão e a publicação são construídas. Além de ter sido fundamental na proteção dos direitos humanos e na promoção da paz desde que foi acordada, também influenciou a versão moderna da Feira do Livro de Frankfurt, realizada pela primeira vez menos de um ano após o acordo da DUDH. As liberdades que ela estabelece – de pensamento, discurso e reunião em particular – estão no centro da Feira do Livro e serão celebradas com mais paixão do que nunca em outubro.

Como a DUDH será lembrada?

A peça central será uma campanha \”Na mesma página\”, em conjunto com as Nações Unidas e a Anistia Internacional, além das associações de editores e livreiros da Alemanha. A atividade começará bem antes da Feira, com conteúdo de mídia social sobre a importância de cada um dos 30 artigos diferentes da UDHR e grande cobertura planejada pelas emissoras de TV alemãs ARTE e ZDF.

E durante a Feira?

As atividades comemorativas incluirão eventos com Chimamanda Ngozi Adichie e Amal Clooney, e os direitos humanos serão um grande tema do programa Weltempfang. Todos os editores, autores, ilustradores, livreiros e outros estão convidados a se envolver, especialmente usando os cartazes e logotipos \”Na mesma página\”.

Confira a íntegra da entrevista:

Que conselhos daria para os editores brasileiros que vão à Feira?

Em um universo tão grande, é preciso se programar antecipadamente para conseguir bons resultados. É importante definir bem os objetivos, pensando que é melhor ter poucos, mas bem trabalhados. Recomendo fazer uma análise do potencial do próprio catálogo, saber quais títulos têm potencial internacional, quais os mercados possíveis e quais as editoras mais adequadas. Outras providências: preparar um catálogo de direitos e buscar informação sobre programas de apoio à tradução. Fazer reuniões com editores e agentes, procurar a localização do estande desejado para não perder tempo durante a feira e tomar notas durante e depois das reuniões para depois poder fazer o follow-up,logo depois do evento. Também é essencial participar das “sociais” para reencontrar pessoas e conhecer novas, usufruir das atividades de formaçãoe não esquecer de reservar tempo para andar pela Feira e encontrar coisas inesperadas. Tudo isso Frankfurt traz para seus convidados.

Qual o outro destaque para esse ano?

Com certeza é o novo espaço para apresentações, com 300 lugares, que funcionará no centro dos pavillhões da Feira do Livro de Frankfurt. Ele foi projetado pelo escritório de arquitetura schneider + schumacher para ser desmontado e armazenado de ano para ano. O Pavilhão, criado especialmente para comemorar os 70 anos do evento, deverá receber os principais autores e autoridades. Lá acontecerão a Conferência de abertura em 9 de outubro, as cerimônias de premiação, apresentações de livros, painéis de discussão, leituras de best-sellers, apresentações musicais e eventos culinários no fim de semana aberto ao público.

Como é a estrutura do Pavilhão?

Tem 500 metros quadrados, 6,5 metros de altura, capacidade para 300 pessoas. Foi construído em madeira, com membrana translúcida. Segundo os criadores, o Pavilhão é como um casulo que se abre dentro de um espaço atmosférico para apresentações multimídia. O resultado é um local convidativo para se reunir em torno de livros, bem no coração da feira.

Como estão os números para essa edição?

Em março já estavam vendidas 508 mesas para 319 agências literárias de 30 países, no LitAg (o Literary Agents Center). Quanto ao público, em 2017 tivemos 286.425 visitantes, sendo 172.084 profissionais procedentes de 137 países, o que equivale a 60%. Quanto aos expositores, 67% (4.890) foram empresas internacionais e 33% (2.419) alemãs. No total participaram 7.309 expositores de 102 países. Na área de mídia, foram credenciados cerca de 10 mil jornalistas de 75 países e 120 agências de noticias de mais de 40 países. Acredito que os números vão se repetir e até aumentar este ano.

 

Etiquetas:

Todavía no hay comentarios ¿Quieres poner el primero?

Deja un comentario

FacebookGoogle PlusInstagramTwitter